Noite de Natal Iluminada

Da minha janela eu vejo uma casa iluminada,
Oiço risos de crianças, oiço vozes bem alegres
E um cheirinho a consoada.
Também vejo bem ao longe,
Uma mesa bem comprida
Muita gente à volta dela
Com balõezinhos e fitas.
Gente alegre e bem disposta
Irradiando alegria,
Festejando com amor
A união da família.
Vejo também a um canto
Uma árvore de Natal
Grande, linda e muito bem enfeitada,
Repleta de prendinhas
Deve ser prá criançada.
Olho em redor e o que vejo?
O meu menino dormindo
Num bercinho bem limpinho,
Mas também bem pobrezinho.
E penso…como ele é lindo!
E dorme tão sossegado, tão fofinho e tão rosado,
Parece o menino Jesus quando nasceu no estábulo,
Faltam só as ovelhinhas, Maria, José e também os três Reis Magos,
Não esquecendo a estrela, os anjos pra este quadro.
Em minha imaginação, meu presépio já está feito
Puz nele todo o meu amor, admiração e respeito.
Puz também a paciência, resignação, humildade
Puz também muito carinho, para que nele nada falte.
Mas nisto batem à porta, de mansinho lá vou indo,
Com muito muito jeitinho
Pois o meu menino dorme,
Tranquilo naquele bercinho.
Levanto a mão, dou um toque, para a portinha se abrir
E um rosto esplendoroso, ali esta a sorrir.
Minha casa iluminou-se, o meu coração também,
Meu menino levantou-se,
E a meia-noite também.
E o Pai Natal chegou, com brinquedos e uma bela consoada,
Minha casa estava linda, estava toda iluminada.
Quem sois vós?
Perguntei eu, sentido imensa alegria,
E uma voz, meiga, tão doce
Ao meu ouvido dizia:
Sou um enviado dos céus
Amigo, teu protector
Ensinar-te o evangelho
São ordens do salvador
Minha casa iluminada,
A minha alma também
Meu coração transbordava
Com bênçãos celestiais
Obrigado meu Senhor
Por a mais linda e bela
Noite de Natal que me proporcionaste
Por meus caminhos sombrios que agora iluminaste.

Maria do Céu

Anúncios

Recordar

Já é noite e muito tarde
São horas de descansar
Fecho as portas, as janelas
E as luzes não me esqueço de apagar

Já me encontro deitada
Está frio mas sabe bem
A cabeça recostada
Na minha linda almofada
Enquanto o sono não vem

Tudo me vem a cabeça
E começo a recordar
A minha vida passada
Que tem muito que contar

Lembro a minha meninice
Que com tanta traquinice
Me faz faz rir e gargalhar
Mas noutros casos mais sérios
Começo logo a chorar

O passado já não volta
Nem pra mim nem pra ninguém
O presente é o nosso dia a dia
São as horas, os minutos e os segundos também

O futuro ninguém sabe
O que a vida nos vai dar
Nem os grandes adivinhos
Conseguem adivinhar

Pra não esquecer o passado
Só nos resta recordar
Umas vezes nos faz rir
Outras vezes faz chorar

O recordar é viver
E é bem uma verdade
Pode nos dar alegrias, tristezas
E também felicidade

Maria do Céu